jusbrasil.com.br
23 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 2ª Região TRF-2: 0002305-07.2008.4.02.5101 0002305-07.2008.4.02.5101 - Inteiro Teor

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
5ª TURMA ESPECIALIZADA
Publicação
21/03/2014
Julgamento
11 de Março de 2014
Relator
MARCUS ABRAHAM
Documentos anexos
Inteiro TeorTRF-2__00023050720084025101_076c3.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor



IV - APELACAO CIVEL 2008.51.01.002305-4

Nº CNJ : 0002305-07.2008.4.02.5101
RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL MARCUS ABRAHAM
APELANTE : MARIA JOSE CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE FIGUEIREDO
ADVOGADO : FERNANDO FERNANDES GAMA E OUTROS
APELADO : UNIÃO FEDERAL
REMETENTE : JUÍZO DA 3A VARA FEDERAL DE NITEROI-RJ
ORIGEM : TERCEIRA VARA FEDERAL DE NITERÓI (200851010023054)


RELATÓRIO

Trata-se de apelação cível interposta por MARIA JOSÉ CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE FIGUEIREDO em face de sentença proferida pelo Juízo da 3ª Vara Federal de Niterói/RJ que extinguiu o processo, nos termos do art. 267, VIII, do Código de Processo Civil, condenando a Autora no pagamento de honorários advocatícios fixados em 5% (cinco por cento) sobre o valor atualizado da causa.

Em suas razões, alega a Apelante, em síntese, que durante o curso da execução foi oferecida extrajudicialmente à Autora o recebimento dos valores pleiteados administrativamente em troca da desistência da presente ação. Acrescenta que a União, ao anuir com a desistência da ação, ciente de que pagaria parte dos valores pleiteados administrativamente, reconheceu a procedência parcial dos pedidos feitos na inicial. Dessa forma, quem deve suportar o ônus sucumbencial da presente ação é a União e não a Autora. Aduz que deve ser levado em consideração o disposto no art. 21 do CPC, tendo em vista que a Apelada reconhece o direito da Apelante, confirmando que irá realizar parte do pagamento dos valores pleiteados nesta ação administrativamente.

Contrarrazões às fls. 127/128.

O Ministério Público Federal manifestou-se no sentido de não haver nos autos qualquer interesse que justifique a sua intervenção no feito.

É o relatório. Peço dia para julgamento.

MARCUS ABRAHAM

Desembargador Federal

Relator

VOTO

Conforme relatado, a hipótese é de apelação cível interposta por MARIA JOSÉ CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE FIGUEIREDO em face de sentença proferida pelo Juízo da 3ª Vara Federal de Niterói/RJ que extinguiu o processo, nos termos do art. 267, VIII, do Código de Processo Civil, condenando a Autora no pagamento de honorários advocatícios fixados em 5% (cinco por cento) sobre o valor atualizado da causa.

Em suas razões, alega a Apelante, em síntese, que durante o curso da execução foi oferecida extrajudicialmente à Autora o recebimento dos valores pleiteados administrativamente em troca da desistência da presente ação. Acrescenta que a União, ao anuir com a desistência da ação, ciente de que pagaria parte dos valores pleiteados administrativamente, reconheceu a procedência parcial dos pedidos feitos na inicial. Dessa forma, quem deve suportar o ônus sucumbencial da presente ação é a União e não a Autora. Aduz que deve ser levado em consideração o disposto no art. 21 do CPC, tendo em vista que a Apelada reconhece o direito da Apelante, confirmando que irá realizar parte do pagamento dos valores pleiteados nesta ação administrativamente.

Conheço do recurso, eis que presentes os pressupostos de admissibilidade.

A hipótese é de execução individual de sentença proferida nos autos da ação coletiva nº 97.0012466-5, que tramitou na 17ª Vara Federal do Rio de Janeiro, na qual a União foi condenada ao pagamento do percentual de 11,98% aos servidores substituídos.

A Exequente apresentou planilha de cálculos às fls. 79/80, cujo valor a executar é no montante de R$1.225.087,53 (um milhão, duzentos e vinte e cinco mil e oitenta e sete reais e cinquenta e três centavos).

A União foi citada, na forma do art. 730 do CPC, conforme certidão de fl. 84.

A União embargou a execução (2009.51.02.000793-1), alegando excesso no valor de R$1.208.475,24, já que o valor devido à Exequente seria de R$16.342,29 (dezesseis mil, trezentos e quarenta e dois reais e vinte e nove centavos). Em sede de impugnação, a Exequente apresentou o valor de R$79.868,24 (setenta e nove mil, oitocentos e sessenta e oito reais e vinte e quatro centavos), demonstrando claramente que os valores que pretendia executar eram exorbitantes.

À fl. 96, a Exequente peticionou requerendo a desistência da ação, anexando à petição declaração na qual opta por receber os valores pela via administrativa.

O art. 26, caput, do CPC dispõe o seguinte:

      “Art. 26. Se o processo terminar por desistência ou reconhecimento do pedido, as despesas e os honorários serão pagos pela parte que desistiu ou reconheceu.”

Ora, havendo a Autora requerido a desistência do feito, após o Réu ter impugnado sua conta com a interposição de embargos à execução, deve responder pelos respectivos ônus processuais, suportando os honorários advocatícios da parte contrária.

Na linha de entendimento adotada pelo e. STJ, aquele que deu causa à interposição dos presentes embargos é que deve suportar os ônus sucumbenciais. Na hipótese, se os cálculos tivessem sido elaborados corretamente, não haveria a interposição dos embargos, com a consequente movimentação da máquina judiciária.

Na esteira desse raciocínio, confira-se o julgado a seguir:

      “PROCESSO CIVIL. SERVIDOR PÚBLICO. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. RECONHECIMENTO DO PEDIDO. PAGAMENTO DOS ÔNUS SUCUMBENCIAIS. CABIMENTO. PRINCÍPIO DA CAUSALIDADE. AGRAVO REGIMENTAL NÃO PROVIDO.

      1. Julgado procedente os embargos á execução, é decorrência lógica a condenação da parte vencida, que sucumbiu à pretensão da parte vencedora, ao pagamento das custas e honorários.

      2. A interposição de recurso com fins meramente protelatórios pode ensejar a aplicação de multa, nos termos da legislação processual civil em vigor.

      3. Agravo regimental não provido.

      (AgRg nos EDcl no AREsp nº 107.049/RS - Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES - SEGUNDA TURMA - DJe 27/06/2012)

A Apelante pretendia executar valores muito aquém do que lhe era devido, obrigando a União a oferecer embargos à execução, movimentando a máquina administrativa da Procuradoria Federal.

Segundo o § 4º do art. 20 do CPC, nas execuções, embargadas ou não, os honorários serão fixados consoante apreciação equitativa do juiz, atendidos o grau de zelo do profissional, o lugar da prestação do serviço, a natureza e importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o serviço, conforme alíneas a, b e c do parágrafo 3º do mesmo artigo. Em consequência, o magistrado não está limitado aos percentuais mínimo de 10% e máximo de 20% previstos naquele § 3º, podendo, inclusive, estipular honorários advocatícios em valor fixo, desde que não irrisório ou excessivo.

Dessa forma, em obediência ao princípio da causalidade, segundo o qual deve ser condenada no pagamento de honorários advocatícios a parte que deu causa à propositura da ação, mantenho a condenação da Embargada.

Em face do exposto, nego provimento ao recurso, para manter a sentença.

É como voto.


MARCUS ABRAHAM

Desembargador Federal

Relator



EMENTA

EMBARGOS À EXECUÇÃO - HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS - PRINCÍPIO DA CAUSALIDADE - ART. 20, § 4º, DO CPC - RECURSO DESPROVIDO.

1 - Na linha de entendimento adotada pelo e. STJ, aquele que deu causa à interposição dos presentes embargos é que deve suportar os ônus sucumbenciais. Na hipótese, se os cálculos tivessem sido elaborados corretamente, não haveria a interposição dos embargos, com a consequente movimentação da máquina judiciária. Precedente: AgRg nos EDcl no AREsp nº 107.049/RS - Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES - SEGUNDA TURMA - DJe 27/06/2012.

2 - A Apelante pretendia executar valores muito aquém do que lhe era devido, obrigando a União a oferecer embargos à execução, movimentando a máquina administrativa da Procuradoria Federal.

3 - Em obediência ao princípio da causalidade, segundo o qual deve ser condenada no pagamento de honorários advocatícios a parte que deu causa à propositura da ação, deve ser mantida a condenação da Embargada no pagamento da verba honorária.

4 - Recurso desprovido. Sentença confirmada.


ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas:

Decide a Quinta Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, por unanimidade, negar provimento ao recurso, nos termos do relatório e voto constantes dos autos, que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Custas, como de lei.

Rio de Janeiro, de 2014 (data do julgamento).

MARCUS ABRAHAM

Desembargador Federal

Relator

Disponível em: https://trf-2.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/903182537/23050720084025101-0002305-0720084025101/inteiro-teor-903182553