jusbrasil.com.br
3 de Dezembro de 2016
    Adicione tópicos

    TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL : AC 140869 RJ 97.02.18675-7

    ADMINISTRATIVO. IBGE. PENSÃO POR MORTE. APOSENTADORIA PREVIDENCIÁRIA. TRANSFORMAÇÃO EM ESTATUTÁRIO. LEI 8.112/90. IBGE. Recurso de apelação interposto em face da sentença que julgou improcedente o pedido autoral, formulado com o intuito de que fosse o IBGE compelido a pagar os benefícios de pensão recebidos pelas autoras, transformando benefícios previdenciários em benefícios estatutários, na forma do art. 243 da Lei 8.112/90. As autoras recebem benefício de pensão por morte instituído por seus maridos e companheiros, ex-empregados da extinta autarquia do IBGE. Após a sucessão da autarquia pela Fundação de mesmo nome, os autores optaram pelo regime trabalhista, tendo inclusive, se aposentado sob a égide da CLT, motivo pelo qual recebem, as autoras, benefícios previdenciários pagos pelo INSS. A Lei 8.112/90 não retroagiu para alcançar os funcionários aposentados pelo regime celetista, antes de sua edição, tendo em vista que a relação já se encontrava consolidada antes de sua vigência. Apelação improvida.

    Processo
    AC 140869 RJ 97.02.18675-7
    Orgão Julgador
    OITAVA TURMA ESPECIALIZADA
    Publicação
    DJU - Data::02/09/2006
    Julgamento
    19 de Setembro de 2006
    Relator
    Desembargadora Federal MARIA ALICE PAIM LYARD
    Andamento do Processo

    Ementa

    ADMINISTRATIVO. IBGE. PENSÃO POR MORTE. APOSENTADORIA PREVIDENCIÁRIA. TRANSFORMAÇÃO EM ESTATUTÁRIO. LEI 8.112/90. IBGE. Recurso de apelação interposto em face da sentença que julgou improcedente o pedido autoral, formulado com o intuito de que fosse o IBGE compelido a pagar os benefícios de pensão recebidos pelas autoras, transformando benefícios previdenciários em benefícios estatutários, na forma do art. 243 da Lei 8.112/90. As autoras recebem benefício de pensão por morte instituído por seus maridos e companheiros, ex-empregados da extinta autarquia do IBGE. Após a sucessão da autarquia pela Fundação de mesmo nome, os autores optaram pelo regime trabalhista, tendo inclusive, se aposentado sob a égide da CLT, motivo pelo qual recebem, as autoras, benefícios previdenciários pagos pelo INSS. A Lei 8.112/90 não retroagiu para alcançar os funcionários aposentados pelo regime celetista, antes de sua edição, tendo em vista que a relação já se encontrava consolidada antes de sua vigência. Apelação improvida.

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.
    Disponível em: http://trf-2.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/978812/apelacao-civel-ac-140869-rj-970218675-7

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)