jusbrasil.com.br
3 de Dezembro de 2016
    Adicione tópicos

    TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL : AC 336218 RJ 2001.51.10.003675-4

    ADMINISTRATIVO. PENSÃO POR MORTE. SERVIDOR PÚBLICO. LEI Nº 3.373/58. FILHA SEPARADA. SÚMULA 178 DO TCU. LEI Nº 3373/58. RECURSO E REMESSA NÃO PROVIDOS. -O pensionato é direito que se consubstancia à época do óbito de seu instituidor, no caso, quando vigente a Lei nº 3.373, de 12 de março de 1958. -A Súmula 178 do Tribunal de Contas da União determina ser necessário que a filha desquitada ou divorciada comprove viver na dependência econômica do pai falecido. Assim, a autora, na condição de separada, para receber o benefício, entende a jurisprudência que deve comprovar que não recebe alimentos do ex-cônjuge, e que não possui bens oriundos de partilha de bens. Na hipótese, resta comprovado, através da Justificação acostada, que se dedicou ao pai e depois à mãe. Além do que, sofreu acidente doméstico quando cuidava da mãe e, com isso, sofre com “incapacidade parcial permanente”, conforme conclusão do laudo pericial, o que, certamente, a impede de exercer plenamente atividade laboral. Acrescente-se que, além da limitação física, a autora já passou dos cinqüenta anos, o que torna difícil sua inserção no mercado de trabalho, razão pela qual deve ser deferida a pensão temporária. -Recurso e remessa não providos.

    Processo
    AC 336218 RJ 2001.51.10.003675-4
    Orgão Julgador
    SEXTA TURMA ESPECIALIZADA
    Publicação
    DJU - Data::14/01/2008 - Página::1400/1401
    Julgamento
    21 de Novembro de 2007
    Relator
    Desembargador Federal BENEDITO GONCALVES
    Andamento do Processo

    Ementa

    ADMINISTRATIVO. PENSÃO POR MORTE. SERVIDOR PÚBLICO. LEI Nº 3.373/58. FILHA SEPARADA. SÚMULA 178 DO TCU. LEI Nº 3373/58. RECURSO E REMESSA NÃO PROVIDOS. -O pensionato é direito que se consubstancia à época do óbito de seu instituidor, no caso, quando vigente a Lei nº 3.373, de 12 de março de 1958. -A Súmula 178 do Tribunal de Contas da União determina ser necessário que a filha desquitada ou divorciada comprove viver na dependência econômica do pai falecido. Assim, a autora, na condição de separada, para receber o benefício, entende a jurisprudência que deve comprovar que não recebe alimentos do ex-cônjuge, e que não possui bens oriundos de partilha de bens. Na hipótese, resta comprovado, através da Justificação acostada, que se dedicou ao pai e depois à mãe. Além do que, sofreu acidente doméstico quando cuidava da mãe e, com isso, sofre com “incapacidade parcial permanente”, conforme conclusão do laudo pericial, o que, certamente, a impede de exercer plenamente atividade laboral. Acrescente-se que, além da limitação física, a autora já passou dos cinqüenta anos, o que torna difícil sua inserção no mercado de trabalho, razão pela qual deve ser deferida a pensão temporária. -Recurso e remessa não providos.

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.
    Disponível em: http://trf-2.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1345070/apelacao-civel-ac-336218

    1 Comentário

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    Caso idêntico ao meu, porém a pensão foi negada administrativamente, simplesmente porque na procuração que eu tinha da minha mãe já falecida, coloquei a minha formação universitária, não me deram o direito de provar que nunca exerci a função. continuar lendo